Tecnologia, inovação e pesquisa no Brasil

Engana-se quem pensa que o Brasil é apenas um cliente de grandes desenvolvedores de tecnologia no mundo. O país não é líder mundial em pesquisa científica, uma vez que esse posto pertence à Israel, mas é o líder da América Latina, com mais de 40 mil pesquisas registadas só no ano passado. Estima-se que esse número aumente, consideravelmente, todos os anos.

O país investe cerca de R$59 bilhões em pesquisa científica anualmente. Esse valor equivale a junção de iniciativas públicas e privadas. Sem correr o risco de perder o posto de líder, o segundo colocado – Argentina – registra menos de 10 mil pesquisas por ano.

Dessas iniciativas, dTecnologia, inovação e pesquisaestaque especial para a PUCSP, que é considerada a melhor universidade privada do país e que hoje possui um Parque Científico e Tecnológico com mais de 124 organizações e 6 mil pessoas trabalhando todos os dias. Quanto a excelência no setor público, o destaque vai para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), que além dos milhares de envolvidos desde a sua criação, já realizou parceria com fundações e empresas internacionais.

Concluí-se que nos últimos 20 anos a produção científica do país aumentou mais de cinco vezes, sendo o Brasil detentor de mais de dois terços das publicações da América do Sul. O único problema, que ainda está sendo estudada qual a melhor forma de resolvê-lo, é o impacto dessas pesquisas no mundo como um todo. Uma pesquisa sul-americana não recebe muitas citações, o que conclui um impacto baixo mesmo com materiais de extrema qualidade e importância.

Para adentrarmos o mundo da pesquisa tecnológica e científica do Brasil, vale salientar que é um campo muito promissor e de estruturas semelhantes á países de primeiro mundo, sendo o país o único do continente à destinar mais de 1% do PIB para a pesquisa e desenvolvimento.

Últimos artigos publicados

[catlist id=18 numberposts=5 pagination=no]
Arquivo